Performando em um mundo VUCA

Por Albírio Gonçalves

Dentro de todas as incertezas, uma certeza: vivemos em um mundo volátil, incerto, complexo e ambíguo, ou seja, no mundo VUCA (Volatility, Uncertainty, Complexe-te, Ambiguity), termo em inglês cunhado no final dos anos 90, com origem no vocabulário militar. Atualmente, os ambientes e contextos de negócios caóticos parecem ser o que há de “mais normal”. As organizações estão confusas, os cenários podem mudar a qualquer momento, sem dar indicadores de que a mudança acontecerá. A instabilidade é a nova bandeira.

Então, como encarar esta nova realidade melhor preparado?

Bem, para cada estado do mundo VUCA, sugiro uma ação:

  • Volatilidade significa mudanças mais rápidas, a cada dia. Assim, é recomendável deixar de resistir às mudanças e seguir com elas. Mas é preciso contextualizar bem a situação e alinhar a visão com os parceiros de negócio (ou trabalho) para ser mais eficaz e efetivo.
  • Incerteza nada mais é do que a falta de previsibilidade sobre o que acontecerá no futuro. Desta forma, quando mais informações de qualidade você tiver em mãos, maiores serão as chances de fazer conexões pertinentes que balizem a sua decisão na aposta certa. Aqui cabe um adendo: a qualidade das informações é mais importante do que a quantidade.
  • Complexidade retrata interações não lineares, resultados não previsíveis e interdependências não manifestas. No contexto do mundo VUCA, não temos uma relação concreta de causa e efeito das nossas atitudes. Sendo assim, é preciso estar aberto ao fracasso e ser ágil para reverter situações adversas. Para tanto, formar parcerias de valor é imprescindível para aumentar as chances de sucesso.
  • Ambiguidade é falta de clareza sobre o significado de um evento. Em contextos ambíguos, as nossas decisões possuem mais de uma relação de causa e efeito. Além disso, resultados podem ser interpretados de várias maneiras. Para dirimir os impactos dessa ambiguidade precisamos criar condições favoráveis para que os resultados que esperamos aconteçam.

Pronto! Já temos um norte de como encarar o mundo VUCA, mas para performar acima da média, acredito que é preciso algo mais. É preciso conectar, sensibilizar e inspirar. Explico:

  • Conectar pessoas, ideias e negócios, agindo como um catalizador de parcerias. E, para conectar, é preciso estar aberto ao diferente e ser disposto a compartilhar saberes e experiência com os outros, sem esperar nada em troca (ou não!).
  • Sensibilizar pessoas para a sua causa ou projeto. Não saindo em busca de seguidores, mas de parceiros e apoiadores. Lembrando que o pior inimigo de uma causa ou projeto é o seu mau defensor. Portando, antes de qualquer coisa, acredite na visão (sonho, desejo, meta) que você irá vender aos outros e esteja motivado em realizá-la.
  • Inspirar as pessoas para que se engajem aos seus projetos. Como? Não há uma fórmula mágica, mas procurar pontos de convergências entre o seu projeto e os projetos dos outros pode ser um ótimo início.

Mas não acabou ainda. Para conectar, sensibilizar e inspirar é preciso construir relações sinceras.

Como construir relações sinceras?

Acredito que agindo a partir de três valores fundamentais e neles se balizando:

  • Ética: princípios que marcam a fronteira da nossa convivência em sociedade, ou seja, são os princípios que guiam as nossas condutas pessoais e profissionais. Agir eticamente é agir de acordo com o que a sociedade em geral julga ser a conduta correta.
  • Integridade: ter retidão de caráter ou, em outras palavras, não ser “duas caras”. Ser íntegro é ter o discurso coerente com as ações.
  • Respeito: é a base de toda e qualquer relação que prima pela boa convivência. Respeitar é cuidar, e umas das melhores maneiras que temos para cuidar do outro é escutar o que o outro tem a dizer. Logo, é necessário exercitar a “escutatória”, como dizia Rubem Alves.

Para sobreviver e performar no mundo VUCA é preciso ser corajoso para correr riscos, equilibrado para lidar com incertezas, ágil para mudar de direção e determinado para seguir adiante. Em outras palavras, para conseguir êxito no mundo VUCA é preciso ter resiliência. Apenas lembrando, resiliência é a capacidade do indivíduo em lidar com problemas, adaptar-se a mudanças, superar obstáculos ou resistir à pressão de situações adversas, sem entrar em surto psicológico, emocional ou físico.

Para finalizar, mesmo com a confusão deste mundo no qual vivemos e trabalhamos, sou mais otimista do que o Andrew S. Grove, pois acredito que não precisamos ser paranoicos para sobreviver, mas pensar melhor e agir com foco. Foco em si mesmo, foco nos outros e foco no mundo, que não tem jeito, é VUCA.